Skip to Content

Entenda como melhorar o desempenho dos seus ativos

julho 19, 2021 Por Tadeu Longo

O termo Indústria 4.0 surgiu na Alemanha há mais ou menos uma década, trazendo a promoção e a aceleração da transformação digital. Com isso, outras expressões se fizeram presentes no mercado, como fábricas inteligentes, Manutenção 4.0 e melhor gestão de ativos.

Se chegou até aqui, é porque você deve estar em busca de informações mais voltadas ao desempenho dos seus ativos, certo? Neste artigo, vou mostrar como fazer uma gestão de ativos e de que forma a tecnologia pode ajudar nesse sentido. Confira!

Os pontos essenciais para uma boa gestão de ativos

Para começar, é bom saber que uma gestão eficiente de ativos diz respeito a um conjunto de ações voltadas à geração de valor dos ativos de uma empresa. Aqui, entram boas práticas para gerir todos os recursos e bens do negócio, de modo que um ativo passe pelo seu ciclo de vida completo com seu máximo desempenho.

Por isso, um dos pontos essenciais nessa gestão é saber investir e valorizar os ativos da empresa. Por exemplo, se você conta com equipamentos em boas condições e um ambiente de trabalho organizado, corre menos riscos na produção e até com possíveis incidentes com colaboradores.

Uma gestão de ativos se preocupa com o ciclo de vida de cada ativo da empresa, de modo que ele agregue valor aos objetivos centrais do negócio. Mas também traz outros fatores essenciais, como:

  • cumprimento de regras e legislações;
  • estabelecimento de prioridades, oportunidades e riscos;
  • avaliação crítica dos ativos físicos;
  • ponderação de custos de um modo geral;
  • monitoramento da performance de cada ativo, por meio de KPIs.

A diferença entre gestão de ativos e gestão de manutenção

Vale a pena esclarecer a diferença que existe entre gestão de ativos e gestão de manutenção. Embora relacionadas, não são a mesma coisa. A primeira foca o ciclo de vida de cada ativo (desempenho, oportunidades e riscos). Já a gestão de manutenção se concentra em momentos precisos do ciclo de vida, controlando potenciais problemas e, se possível, evitando-os.

Os critérios a serem adotados em uma gestão de ativos

Os objetivos de uma gestão de ativos demandam alguns critérios importantes. O primeiro deles, por exemplo, é o planejamento estratégico bem delineado, para que realmente aconteça uma otimização satisfatória dos ativos. Além disso, com sua gestão é possível:

  • aumentar a disponibilidade de ativos físicos — quando funcionam em sua máxima disposição, garantem um ROI bem mais satisfatório;
  • estabelecer prioridades sem deixar de ponderar as oportunidades e possíveis riscos;
  • melhorar a segurança por meio da gestão de riscos, com avaliações precisas da fase do ciclo de vida em que cada ativo se encontra;
  • cumprir as regras e monitorar os ativos de perto, para que nada saia do planejado e, se ocorrer, que seja resolvido da melhor forma, dentro das boas práticas preestabelecidas.

Os problemas que podem indicar uma performance ruim

Se alguns pontos essenciais e critérios não forem aplicados adequadamente na gestão de ativos, ainda pode haver um baixo desempenho. Normalmente, alguns problemas indicam que algo não está bem, como é o caso de:

  • dúvidas na hora de adquirir ou locar maquinários e equipamentos, por falta de histórico e referências confiáveis de viabilidade econômica para a tomada da decisão;
  • horas paradas em manutenções corretivas ou até preventivas, bem como horas técnicas empregadas nas funções relacionadas;
  • plano de manutenção negligenciado, que não assegura corretamente prazos e custos e com despesas preventivas, por exemplo, para aumentar a vida útil dos ativos;
  • ausência de registros precisos de todas as possíveis paradas e manutenções de um ativo, essenciais para uma gestão precisa e eficiente.

As principais tecnologias usadas nos processos

Uma gestão de ativos pode contar com a tecnologia como aliada para minimizar quaisquer problemas que possam surgir. Afinal, são muitos detalhes envolvidos e, sem um software preparado para ajudar, os processos realmente não fluem como deveriam.

É o caso, por exemplo, de sistemas computadorizados de gestão de manutenção (CMMS), que automatizam as operações de trabalho para as equipes. As soluções de gestão de ativos empresariais (EAM) ampliam os recursos do CMMS, fornecendo um repositório centralizado de dados relacionados aos ativos para uso de engenheiros, departamento de compras e finanças.

Hoje, o sistema EAM adiciona recursos de gestão de desempenho de ativos (APM), coletando e tratando grandes quantidades de dados vindas dos sensores, realizando uma modelagem preditiva e de risco. Logo, a Manutenção 4.0, citada lá no início, depende de soluções de APM para gerir o alto volume de dados vindos da automação para fornecer análises que possam determinar, com precisão, quando determinado ativo vai falhar — permitindo uma manutenção preditiva aprimorada.

O APM também automatiza fluxos de trabalho de manutenção prescritiva, permitindo que as organizações corrijam proativamente quaisquer problemas previstos e evitem danos aos ativos. Essas soluções de APM favorecem que as organizações prevejam falhas de equipamentos, realizem tomadas de decisão melhorando a segurança, otimizando o gerenciamento de mão de obra e materiais e aprimorando o planejamento de alocação de capital.

Já há algum tempo, as organizações entendem que a confiabilidade de seus ativos é uma peça-chave, e que o seu gerenciamento através de processos reativos não é mais suficiente. Os benefícios da implementação do APM são vários e dependem das necessidades específicas e particulares de cada organização, tais como:

  • impacto no uso da mão de obra;
  • otimização no uso de materiais;
  • melhoria na segurança;
  • ciclos orçamentários e de planejamento de investimentos em ativos mais precisos.

Parte da jornada de Transformação Digital das organizações, a manutenção 4.0 com o APM reduz o impacto nas operações ao analisar grandes volumes de dados e entender melhor os ativos. Assim, aumentam sua maturidade de manutenção e permitem fazer mais com menos.

A Internet of Things (IoT) também é outro recurso tecnológico que fornece a introdução de dados nos dispositivos conectados com inteligência artificial, de forma segura, sem escala e de qualquer lugar. Isso ajuda a sincronizar dados retirados do EAM (ferramenta de gestão de ativos), para melhorar a detecção de exceções, fluxos de trabalho, relatórios, data analysis e AI.

O CloudSuite™ EAM é um software de Gestão de Ativos Empresariais líder de sua categoria. Ajuda a digitalizar e otimizar as operações de manutenção para obter novos níveis de eficiência. Feito com fins específicos, está sempre pronto para ser dimensionado e se transformar, à medida que as organizações evoluem e crescem.

Com a tecnologia enquanto aliada, é possível potencializar a gestão de ativos e, até mesmo, sua gestão de manutenção. Quando o desempenho e o ciclo de vida de cada ativo é levado ao seu máximo, o retorno sobre cada investimento é certeiro e, o melhor, bastante satisfatório.

Gostou de saber mais sobre gestão de ativos e como melhorar seu desempenho com a tecnologia? Baixe este e-book agora e obtenha todo o potencial da Indústria 4.0 para sua gestão de equipamentos e ativos!

Arquivado em
  • Asset management
Produto
  • Infor EAM
Região
  • LATAM
Conecte-se conosco

Nós entraremos em contato em breve.

A Infor valoriza sua privacidade.